11 94154-2321 
11 94952-2223 

contato@arquiengesolucoes.com.br
Av. Itaqui, 431 Sala 24 - Jardim Belval - Barueri - SP - 06420-210

AVCB/CLCB

O que é o AVCB/CLCB?

AVCB (Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros) e CLCB (Certificado de Licença do Corpo de Bombeiros) são documentos que comprovam a qualificação do estabelecimento de acordo com das normas e Instruções Técnicas(IT) do Corpo de Bombeiros garantindo a segurança nos aspectos relacionados a prevenção de incêndio.
A princípio, o documento deve ser obtido através de liberação do corpo de bombeiros. Assim como a prefeitura emite o alvará de funcionamento o AVCB seria o alvará do corpo de bombeiros.

O que é um projeto de incêndio?

É um projeto de segurança, cujo objetivo é garantir as condições mínimas de segurança para as edificações, preservando assim a integridade física dos ocupantes e por sua vez preservando os bens materiais e culturais.

Quem Precisa de AVCB/CLCB?

Todos os empreendimentos comerciais, industriais e residenciais, tais como, lojas, escritórios, hotéis, mercados, igrejas, postos de combustíveis, clubes, casas de show e edificações de mais de uma residência. Somente edificações residenciais com uma moradia estão isentas.

Porque devo ter um AVCB/CLCB?

De acordo com a Lei Estadual nº 14.130/2001 e Decreto Estadual nº 46.595/2014, toda edificação destinada ao uso coletivo deve ser regularizada junto ao Corpo de Bombeiros. Logo, a regularização visa garantir à população a segurança mínima contra incêndio e pânico nas edificações.

Quais são as Penalidades para quem não tiver AVCB/CLCB?

Os estabelecimentos que não se regularizam estão sujeitos a advertência, multa e até mesmo interdição do local em caso de não adequação as exigências estaduais.

Fui Notificado, o que devo fazer ?

Em caso de notificação deve-se procurar uma empresa especializada para avaliação da atual situação do empreendimento.

Com isso, deve-se providenciar toda a documentação necessária para o projeto e em casos mais graves adotar medidas e parâmetros legais para solicitação de prazos e até mesmo reconsideração da notificação e multas.

Quanto custa a emissão do AVCB/CLCB?

O valor para emissão do AVCB ou CLCB dependerá diretamente das características de sua edificação e atividade exercida.
Ou seja, há que considerar o tamanho da edificação para enquadramento nos procedimentos existentes conforme Decreto Estadual nº 56.819/2011 do Estado de São Paulo e o risco de incêndio que atividade possui.

Dependerá também do nº de ART´s (anotação de responsabilidade técnica) que sua atividade ou instalações exigem.
Ainda, dependerá se sua edificação, no caso, quando for maior que 750m², tiver mais que 3 pavimentos, ou lotação superior à 250 pessoas tiver ou não Projeto Técnico devidamente aprovado pelo Corpo de Bombeiros. Caso não tenha Projeto Técnico, primeiramente terá que providenciá-lo e depois executá-lo para só depois pedir o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros.

Qual a validade do AVCB/CLCB?

Deve-se avaliar a situação de cada empreendimento.
De acordo com a normatização pode-se obter a validade de 3 a 5 anos levando em consideração as condições de utilização de cada imóvel.

Onde posso encontrar instruções sobre AVCB/CLCB?

Em nosso site (https://www.arquiengesolucoes.com.br/legislacao) possuímos todas as legislações e Instruções Técnicas (IT), lá você pode ter acesso a decretos, leis, portarias e outros..
Caso ainda fique com dúvida, sinta-se a vontade para nos contatar!

Conte sempre com a ARQUIENGE

Qual a vantagem/ganho de um investimento em AVCB/CLCB?

Investir na obtenção do AVCB/CLCB é garantia de:
• Cumprimento das obrigações legais;
• Responsabilidade quanto a saúde e integridade física dos colaboradores;
• Responsabilidade quanto a saúde e integridade física de todos os envolvidos nas instalações prediais;
• Tranquilidade por estar em um ambiente seguro;
• Chance de melhorar o layout da empresa;
Em síntese, o projeto trás tantas garantias que é indispensável.

Meu estabelecimento precisa de AVCB /CLCB?

A resposta é depende. A princípio temos que ter em mente que estabelecimento é diferente de atividade. Estabelecimento pressupõe o exercício de uma atividade em uma edificação, no entanto nem sempre a atividade é desenvolvida em um estabelecimento a exemplo dos ambulantes e de alguns profissionais liberais. Em regra todo estabelecimento necessita de AVCB ou CLCB, mas nem toda a atividade necessita de AVCB ou CLCB.

Qual a diferença entre AVCB e CLCB?

AVCB pressupõe a existência de um Projeto Técnico de Combate à Incêndio que pode ser na modalidade simplificado ou comum. Na prática, a modalidade simplificada não exige planta com medidas de combate à incêndio. Já a comum exige o uma planta da edificação com as devidas medidas de combate à incêndio (placas, hidrantes, alarmes, etc).
Em regra, o Projeto Técnico é para edificações com uma área construída acima de 750m², ou acima de 3 pavimentos, ou com público acima de 250 pessoas.
O CLCB é o comumente utilizado nos dias de hoje. Trata-se de procedimento simplificado e é para estabelecimentos com área construída até 750m², até 3 pavimentos e lotação até 250 pessoas.
Em suma, podemos resumir:
AVCB = requer Projeto Técnico, sempre haverá vistoria, deverá ser anexados ART´s pertinentes e brigada de incêndio;
AVCB-PTS = não requer Projeto Técnico, sempre haverá vistoria, podendo ser antes ou depois da emissão do AVCB, deverá ser anexados ART de Sistema de Combate à Incêndio, e gás se houver.
CLCB-PTS = não requer Projeto Técnico, deverá, em regra*, ser anexado ART de Sistema de Combate à Incêndio, e gás se houver. Em regra a aprovação será por amostragem e visualização da edificação pelo google maps. No entanto, poderá o Corpo de Bombeiros conferir a edificação e os equipamentos a qualquer tempo.
Essas 3 modalidades necessitam obrigatoriamente de assessoria de um Engenheiro ou Arquiteto que será Responsável Técnico.

Eu mesmo posso emitir o AVCB ou CLCB?

Dependerá das características da edificação e atividade.
O AVCB na modalidade PT deverá ser acompanhado obrigatoriamente por Responsável Técnico (Arquiteto ou Engenheiro).
Já o CLCB-PTS e o AVCB-PTS dependerá das características da edificação. Caso seu estabelecimento tenha risco baixo de incêndio, esteja no térreo com saída direto para a rua e sem construção acima, tenha área construída até 200m² e sem utilização de gás, você poderá se cadastrar diretamente no site do Corpo de Bombeiros e preencher o formulário, pagar a taxa e emitir seu CLCB. Caso seu estabelecimento não esteja enquadrado nessas condições você necessariamente deverá ter auxílio do Responsável Técnico que emitirá uma ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) ou RRT (Registro de Responsabilidade Técnica).

Quando sou Obrigado a ter AVCB ou CLCB?

I – construção e reforma;
II – mudança da ocupação ou uso;
III – ampliação da área construída;
IV – regularização das edificações e áreas de risco;
V - construções provisórias (circos, eventos, etc.).

Quando não sou obrigado a ter AVCB ou CLCB?

I - residências exclusivamente unifamiliares;
II - residências exclusivamente unifamiliares localizadas no pavimento superior de ocupação mista, com até dois pavimentos e que possuam acessos independentes.

OBRAS E REFORMAS

Porque Preciso do Planejamento de Obras e Reformas?

Sempre que estamos lidando com algum projeto, por mais simples que ele seja, o planejamento é a palavra-chave. Mas no que exatamente consiste em essa tarefa? Planejar-se inclui estudar com antecedência todo o percurso da obra, desde a elaboração da planta, passando pelas questões estruturais, projetos elétrico e hidráulico até chegar à fase dos acabamentos.
Você já parou para pensar no pesadelo que seria levantar as paredes de um cômodo e só depois perceber que o espaço poderia ser melhor aproveitado? Pois é. Muitas vezes é isso o que acontece quando uma obra é iniciada sem planejamento. E aí o resultado não poderia ser diferente: desperdício de tempo e de material. Sem falar no retrabalho e no aumento do prazo estimado para a entrega do serviço.
Por isso, é essencial pensar com antecedência em cada detalhe das instalações, considerando também se as condições climáticas estão favoráveis para a realização do trabalho, se a documentação do imóvel está regularizada e qual o tempo hábil disponível para executar todas as tarefas.

Como realizar o melhor controle de gastos para minhas Obras ou Reformas?

Planejamento e orçamento andam lado a lado quando o assunto é reforma ou construção. Até porque não dá para planejar corretamente uma obra sem ter um orçamento definido, concorda?
Isso significa que, antes de iniciar qualquer tarefa, é preciso saber com exatidão a quantia que poderá ser investida no serviço. Como fazer isso? Colocando tudo na ponta do lápis.
Para isso, saiba ao certo quanto tem para gastar e como pretende fazê-lo. Assim, os questionamentos vão clarear naturalmente no decorrer do projeto, já que, com o orçamento definido, fica muito mais fácil assegurar o melhor custo-benefício na compra dos materiais e na contratação da mão de obra.
E, mesmo contando com imprevistos, não se esqueça de estabelecer um valor médio do custo total do projeto. Isso ajuda muito a definir as prioridades da obra e manter o cronograma em dia.

Como fazer um cronograma sincronizado na minha Obra e/ou Reforma?

Além de saber com exatidão quais tarefas serão desenvolvidas e quanto de dinheiro você tem para cada uma delas, contar com profissionais qualificados é outro aspecto fundamental para sincronizar o cronograma da obra.
Nessas horas, a figura do arquiteto e do engenheiro responsáveis pela construção ganha importância extra. Esses profissionais são responsáveis por gerenciar as equipes e supervisionar o desenvolvimento de cada etapa do projeto. Ou seja, se a equipe for competente, não será difícil manter as tarefas em ordem.
Portanto, mesmo que isso possa sair um pouco mais caro, não hesite em contratar profissionais qualificados para o seu grupo de trabalho, principalmente nas etapas estruturais da obra. Afinal, quando falamos em estrutura de um imóvel, segurança e qualidade são requisitos básicos.

Como resolver o problema da infiltração?

Depois de identificar a fonte de umidade, veja as soluções mais adequadas a cada uma das situações:
Telhado: se você tem um telhado mal posicionado, onde a água que cai nele respinga diretamente na sua parede, ou simplesmente onde existem telhas quebradas, é hora de substituí-las ou posicioná-las de maneira correta, ou até mesmo instalar uma calha para que a água não afete mais a integridade da sua parede.
Tubulações: canos corrompidos – quebrados e com vazamentos – são sempre os maiores causadores de problemas de infiltração. Para repará-los é preciso quebrar a parede e localizar o cano que está causando problemas, e então consertá-lo ou substituí-lo.
Muro do vizinho ou encosta de terra: se o problema vem do muro do vizinho, converse com ele e peça para que tome providências, como impermeabilizar a estrutura da parede. Agora, se o problema é com uma encosta de terra, é preciso retirar toda a terra que toca a parede afetada pela umidade e aplicar um isolante na estrutura, com material específico.
Rachaduras: esteja sempre atento a rachaduras que surjam em suas paredes, pois elas criam uma abertura que facilita a passagem da água, causando problemas como mofo, por exemplo. Para reparar infiltrações vindas de rachaduras, é preciso trocar o reboco, embolsar, aplicar um impermeabilizante, e depois pintar sua parede com a tinta de sua preferência.

Como evitar infiltrações?

Nem sempre é fácil se livrar dos problemas causados pela infiltração, mas, existem algumas recomendações que funcionam como medida preventiva. Por exemplo, ao construir, evite deixar sua parede encostada a paredes e muros vizinhos; ao levantar uma parede, faça um reboco bem feito; se a sua parede fica muito exposta à água da chuva, aplique um impermeabilizante.
Todas essas medidas preventivas devem ser tomadas desde o início da construção, porém, se uma infiltração surgir depois que a casa já estiver pronta, você já sabe como lidar com o problema de maneira simples. Lembre-se que o uso de materiais de construção de boa qualidade evita esses e tantos outros problemas, durante e após a construção.

Como realizar corretamente a Impermeabilização das lajes durante minhas Obras ou Reformas?

As lajes, assim como as paredes, estão sujeitas a receber a chuva diretamente, e consequentemente devem receber uma atenção especial para que não haja problemas de infiltração.
Para a impermeabilização das lajes existem diversas opções, sendo as mais comuns os materiais asfálticos, como por exemplo a manta asfáltica.
Outra opção para lajes com trânsito, moderna e eficaz, é o poliéster flexível. Veja uma comparação entre estes dois sistemas.
Já para lajes sem trânsito, está disponível a Solução 100% Silicone, uma novidade no mercado nacional.
Como vimos anteriormente, infiltrações oriundas da laje podem percolar e apresentar sinais de umidade nas paredes, por isso a importância de prestar atenção nessa etapa durante a obra.

Qual a diferença entre porcelana e porcelanato?

A cerâmica tradicional é composta de uma mistura de argilas que passa pelos processos de prensagem ou de extrusão e é queimada a até 1 150 0 C. Depois da prensa, as placas são secas e podem receber esmalte (decoração). Se elas forem extrudadas a vácuo, retira-se o excesso de umidade da massa, facilitando a criação de formas diferenciadas. Já o porcelanato tem materiais mais nobres (como o feldspato), queimados a temperaturas superiores a 1 200 0 C. Ele é tecnicamente superior, pois oferece elevada resistência mecânica, química e baixa porosidade (menos suscetível a manchas).

O que usar em cozinhas e banheiros: cerâmicas ou porcelanatos?

Primeiro, é preciso saber o significado de coeficiente de atrito (marcado na embalagem), que mede a resistência ao escorregamento. Quanto maior ele for, mais rugoso é o revestimento. Em locais internos sujeitos ao contato com água, a norma brasileira recomenda coeficiente de atrito igual ou maior que 0,4. Em áreas externas molhadas com rampa, prefira cerâmicas com coeficiente de atrito superior a 0,8.

Como preparar o contra piso e a impermeabilização?

Cerâmicas e porcelanatos exigem contra piso nivelado. Quanto maior o formato da placa, mais atenção ao nivelamento da base. Em geral, a massa deve ter traço de 3:1 (três partes de areia e uma de cimento) para ficar com uma consistência média, nem pastosa nem arenosa. No caso de retirada de revestimento antigo, faça a regularização com areia, cimento e adesivo para chapisco Bianco (Otto Baumgart). Segundo André Moral, a impermeabilização do contra piso é fundamental em todos os locais com água em abundância. “Caso contrário, os revestimentos terão absorção suficiente para gerar infiltrações”, diz ele.

Qual é o melhor revestimento para o banheiro parecer maior: pastilhas ou cerâmica?

Em espaços pequenos, o melhor é minimizar os rejuntes. Por causa disso, René Fernandes Filho sugere pastilhas de vidro no lugar de cerâmicas, que têm rejuntes maiores. Já as placas de mármore, sem tantas juntas, também deixam a superfície mais contínua. “Isso dá a impressão de que o espaço é maior”, explica o arquiteto.

Que tipo de porcelanato devo instalar no banheiro? Qual o tamanho ideal das placas? Qual o rejunte mais indicado para o porcelanato?

Podem ser usados os porcelanatos esmaltado, polido e natural. O polido deve ganhar um tratamento na superfície, como um impermeabilizante, para minimizar o aparecimento de manchas, recomenda Lilian Lima Dias, do CCB. Quanto aos tamanhos, os profissionais costumam aplicar peças menores em espaços reduzidos e placas maiores em áreas mais generosas. O gerente de produto da Gyotoku, William Medeiros, indica os formatos 40 x 40 cm para os banheiros pequenos, 45 x 45 cm para os médios e 60 x 60 cm para os espaços maiores. O rejunte recomendado é o epóxi, que é impermeável e garante um ótimo acabamento.

Como estimar um cronograma adequado para minha Obra ou Reforma?

O cronograma é primordial, caso contrário a obra não terá um prazo definido e realista. Inicialmente, não pense no tempo total, descreva cada atividade necessária e, com o auxílio de um profissional, determinem quanto vai demorar cada etapa. Com um bom cronograma, o fluxo da obra é realista e o controle financeiro também é facilitado.

O investimento previsto pode se alterar durante a minha Obra ou Reforma?

Isso pode acontecer. Ao longo da reforma, é possível acontecerem situações imprevistas, também conhecidas como “incertezas”, que precisam ser resolvidas. Também é comum reajustes no preço de materiais durante o período de obra, condições que devem ficar bem claras antes da reforma.

É necessário prever uma reserva financeira para execução da minha Obra ou Reforma?

Imprevistos podem acontecer impactando em uma variação no orçamento. A dica da arquiteta é que exista uma reserva financeira para amparar essas situações. Quando a pessoa tem uma reserva, ela evita paralisar a obra por falta de recursos e, consequentemente, a conclusão não sofrerá atrasos.

Quem será o responsável a apresentar soluções se acontecer uma surpresa na minha Obra ou Reforma?

O profissional contratado deve estar pronto para lidar com essa situação para que os problemas sejam contornados corretamente. Por isso, é de responsabilidade do arquiteto ou engenheiro responsável pela obra que apresente a solução para o cliente.

De quanto em quanto tempo é preciso fazer reforma do meu imóvel?

Normalmente, de cinco em cinco anos, o morador deve ter a preocupação com a manutenção da casa. Na parte externa do imóvel, os problemas mais recorrentes são os relacionados ao revestimento da fachada. Na cobertura, há problemas de vazamentos de telhas ou até de infiltrações na laje. Agora, os mofos se dão por defeitos de projeto. Isso eu aprendi na própria pele. Não é bom colocar armários, por exemplo, junto às paredes externas ou à do banheiro, pois a alteração de temperatura desses ambientes acaba gerando mofos no mobiliário e na parede.

Quais são os problemas que mais ocorrem nas Obras e Reforma sem a supervisão de um profissional?

Se não houver o acompanhamento de um profissional durante toda a obra, o prédio pode sofrer fissuras ou até cair. Cabe ao engenheiro, primeiramente, verificar toda a ferragem que vai ser usada antes da preparação do concreto, da argamassa. Prédios revestidos com cerâmica podem trazer muitos problemas, por exemplo. A massa utilizada para segurar as pastilhas na parede externa do imóvel sofre uma reação química, e, portanto, não pode ficar muito tempo sem uso. Por falta de uma devida orientação, o operário, quando volta do almoço, joga água na massa que estava usando pela manhã. Isso faz com que ela não tenha rigidez suficiente para segurar o azulejo, ou seja, a cerâmica, com o tempo, começa a cair. Não se pode também ter pressa para acabar uma obra, pois isso causa quedas de marquises, vigas e até de prédios inteiros. O profissional deve acompanhar e supervisionar todo processo dando as devidas orientações à equipe envolvida na obra para que não haja problemas futuros como esses.

Numa reforma ou Obra que inclui pintura de parede e sinteco, qual deve ser realizada primeiro?

A pintura deve ser feita antes do sinteco. O profissional que faz geralmente está preparado para isso. Se você for pintar depois, a tinta vai cair no chão e assim, estragar o sinteco. No entanto, muitas vezes, a última mão da pintura do rodapé do imóvel é deixada para depois do sinteco, pois se finalizado antes, a pintura pode ser estragada na hora de fazer a finalização do sinteco.

Quais são as diferenças entre construção e reforma?

A reforma tem como principal característica a preservação da planta e da atual estrutura do imóvel, ou seja, os projetos que somente alterem de forma externa o local. Configura como reforma, por exemplo, a pintura dos ambientes, a troca de azulejos e de revestimentos, a troca de luminárias e a fixação de prateleiras.
De maneira análoga, as construções alteram a estrutura da propriedade. Nesses casos, as plantas precisam ser modificadas, e é necessário fazer um estudo aprofundado para evitar acidentes e o comprometimento do local. São consideradas construções o levantamento ou a remoção de paredes, a abertura de janelas, a remoção e a elaboração de laje ou qualquer obra que possa sobrecarregar a estrutura do imóvel.

Quais são as responsabilidades do engenheiro em uma Obra e Reforma?

O engenheiro de obras é responsável por avaliar o procedimento da obra. Ele faz o planejamento, gere os recursos, coordena os demais profissionais. Além disso, realiza testes e estuda o terreno e a construção, visando garantir a segurança e o prosseguimento da reforma.
É preciso tomar cuidado para não confundi-lo com o arquiteto. O arquiteto está mais ligado ao planejamento do local: em como aproveitar a iluminação natural, manter a circulação de ar, planejar o tamanho dos cômodos e confeccionar a planta do imóvel. Já o engenheiro de obras está mais próximo do campo de obras, encarregando-se também da parte hidráulica e de cálculos estruturais — para que não ocorra nenhum acidente.

Quando é preciso contratar um engenheiro para realizar Obra ou Reforma?

Em geral, especialistas recomendam contratar um engenheiro antes de iniciar as obras. Ele é responsável pelas orientações na hora de comprar os materiais, sabe como proceder na obra ou como, de fato, realizar a reforma ou a construção.
Pode acontecer de a reforma/construção que você deseja fazer no imóvel não ser viável devido à infraestrutura do local, e nessas horas o engenheiro pode lhe orientar.
No entanto, a contratação de um profissional não é obrigatória. Ela só é exigida quando há alterações na estrutura do imóvel, ou seja, quando é uma construção. Nesse caso, é preciso contratar um profissional para realizar uma inspeção e emitir um alvará de modificação.
Caso a obra seja em um prédio residencial, o condômino precisa apresentar o projeto para o síndico. Se houver uma alteração na estrutura do prédio, o síndico precisa requisitar a inspeção de um engenheiro ou arquiteto. Esses profissionais averiguam e emitem os documentos necessários. Além disso, é preciso contratar um profissional para acompanhar o andamento da obra.
O engenheiro de obras é um profissional responsável por avaliar diversos aspectos no canteiro de obras. Atua desde os cálculos para ver a situação da estrutura até a gestão dos recursos e o acompanhamento no canteiro.
Contar com esse profissional pode ser fundamental para que a reforma ou a construção tenha um bom andamento. Mas, vale ressaltar, a sua contratação só é obrigatória caso haja mudanças na estrutura e na planta original do imóvel.

Quais tipos de reforma ou obra precisam de alvará da prefeitura?

Reformas pequenas, como a pintura das paredes e troca de portas, não precisam de autorização, mas todas aquelas que alterem a estrutura do imóvel precisam obrigatoriamente do alvará́ da prefeitura. A construção de um quarto ou um banheiro, por exemplo, precisa da autorização, pois vai alterar a estrutura original.
O ideal é, em caso de dúvidas, buscar a ajuda de um engenheiro ou de um arquiteto antes de iniciar qualquer construção ou reforma em casa.

PROJETOS

O que é o Projeto Arquitetônico?

O Projeto Arquitetônico de uma casa é um conjunto de desenhos explicativos que detalha sua casa para que o profissional responsável pela construção possa executar a sua obra ou reforma do jeito que ela foi planejada (garantindo que o que você vê na maquete você construa). Ou seja, um projeto com todas as informações necessárias para execução da obra, que pode ser utilizado para aprovação em qualquer órgão ou empresas de financiamentos.

Veja o que está incluso:
Planta de perspectiva: Uma imagem virtual colorida da fachada da sua obra.
Planta de Layout – Proposta de Locação de Móveis: Constará a implantação do mobiliário, para auxílio na decoração, e implantação de pontos de eletricidade e hidráulica.
Planta com fachadas: Constam as elevações do prédio, no mínimo de 2 (duas), com as especificações de acabamento e detalhes.
Planta executiva: É a planta pronta para construir, nela estão definidas todas as dimensões, especificações de acabamentos de piso, parede e forro, níveis horizontais, vãos de portas e janelas, locação e projeções de telhado. Incluímos quadros de área, de acabamento e de esquadrias.
Planta de baldrame: É a planta de locação das escavações para locação da obra, consta a largura de alicerce e baldrame, bem como áreas possíveis de aterro.
Cortes: Constará os cortes, no mínimo de 2 (dois) para total compreensão do projeto, são definidas as alturas de forro, telhado e níveis verticais.
Planta do telhado: Desenhos que demonstram as águas (caimentos) do telhado, especificações, beirais, calhas e rincões (onde houverem).

O que contém no Projeto Elétrico?

• Plantas Baixas: Planta baixa de toda a instalação elétrica, com pontos, dimensões das tubulações e da fiação, marcação das tomadas, interruptores, fase, neutros luminárias, arandelas, ar condicionado e chuveiro elétrico;
• Quadro de cargas: Quadro demonstrativo das cargas utilizadas no projeto;
• Diagramas Unifilar, Bifilar e Trifilar: Conforme a carga utilizada, são os diagramas demonstrativos com as bitolas, disjuntores, fases e aterramento;
• Resumo dos pontos elétricos: Quadro com o resumo de todos os pontos elétricos a serem utilizados no projeto;

O que contém no Projeto Hidráulico?

• Planta de Hidráulica: Planta das tubulações que existirão nos andares térreo e superior, com indicação das descidas dos tubos e locação dos pontos hidráulicos;
• Planta dos Barriletes: Nesta planta apresentamos as tubulações que existirão no forro, também chamados de barriletes, nela indicamos as instalações da caixa d’água com sua locação e pontos de descidas dos tubos;
• Vistas: Em substituição à isometria fazemos as vistas de cada parede e de cada ambiente onde ficarão as tubulações, com respectivas locações e alturas. Isto melhora a interpretação do encanador na hora da execução;
• Esquema da caixa d’água: Todas as orientações para instalação da caixa d’água;
• Detalhes: Detalhe do hidrômetro, e instalações de vasos, chuveiros, duchas, lavatórios, etc…, com todas as conexões necessárias como joelhos, curvas, etc;
• Tabela de Materiais: Relação quantitativa de todo o material a ser gasto na instalação de água fria, tais como: joelhos, tubos conexões caixas, etc;
• Planta de Esgoto: Planta geral das tubulações de esgoto com locação das peças sanitárias, caixas de passagem e de gordura, fossa, sumidouro (se for o caso) e filtro anaeróbio;
• Detalhes das unidades: Para cada unidade sanitária, fazemos um detalhe em escala maior, com a indicação de tubos e conexões, tubos de queda, colunas de ventilação, etc;
• Demais detalhes: Detalhes construtivos da fossa, sumidouro, filtro, caixas de passagem e de gordura, com as respectivas plantas, cortes e elevações;
• Memorial de Cálculo: Todo o memorial de cálculo para dimensionamento da fossa, sumidouro e filtro, estão na própria prancha do projeto;

O que é o Arquivo AutoCad?

É o arquivo matriz do projeto em extensão (.dwg) próprio do AutoCad.

O que é o Revit?

Revit é o que há de mais atual em softwares para execução de projetos.

Porque preciso de um profissional local?

Para acompanhar o perfeito andamento da sua obra.
Já com nosso projeto em mãos, você apenas pedirá para um arquiteto ou engenheiro de sua confiança conduzir a execução do projeto. Pode ser o mesmo profissional que fez a aprovação da obra em sua cidade.
Além disso, com nosso orçamento, você poderá fazer uma pesquisa com empreiteiros para saber o melhor custo de sua obra, ou fazer uma pesquisa de custos entre fornecedores de materiais de construção e economizar ainda mais.

Se for construir em um condomínio fechado o que devo fazer?

Os condomínios fechados possuem regulamentos próprios e diferenciados, portanto há necessidade de nos informar sobre isso

O que não está incluso no Projeto Arquitetônico?
  • Os Projetos complementares;
  • Projeto Elétrico;
  • Projeto Hidrossanitário;
  • O Projeto Estrutural;
  • Projeto de paisagismo;
O que é o Arquivo PFD e DWG?
  • PDF é o arquivo pronto para impressão e de fácil visualização.
  • DWG é o arquivo do projeto próprio do AutoCad.
Em quanto tempo receberei meu projeto?

O tempo depende muito do tamanho do mesmo, o tempo necessário será definido junto a proposta.

Por que devo contratar um arquiteto? Qual a importância em uma obra?

O que as pessoas geralmente não levam em consideração, em relação aos arquitetos, é o fato de que o trabalho deste tipo de profissional agrega muito mais que a viabilidade técnica da obra e sua adequação a todas as normas e leis do país, estados e municípios. Com o projeto em mãos, o proprietário do imóvel tem uma espécie de “manual” de execução da obra que serve como diretriz para alinhar desde a contratação de empreiteiros e fornecedores, até o andamento do trabalho do mestre de obras e demais. O arquiteto é mais que um profissional técnico, ele busca primeiro compreender o estilo de vida do cliente e demais moradores, suas aspirações, objetivos de vida, para depois planejar o imóvel, de acordo com as necessidades específicas de cada família ou comunidade. Enfim, a contratação de um arquiteto minimiza custos a curto e longo prazo, além de ser a garantia de um imóvel regularizado, construído dentro das normas técnicas e de segurança.

Qual o custo do projeto arquitetônico? E dos projetos complementares?

O valor de um projeto arquitetônico depende da sua complexidade, das dimensões do programa e urgência do cliente. O valor dos projetos complementares será calculado a partir do projeto arquitetônico, no qual já estarão definidas a metragem e a complexidade da obra. Entre em contato com um arquiteto e solicite um orçamento. O valor é específico para cada projeto.

Qual o custo de uma obra?

O custo de uma obra varia de acordo com a região e padrão de acabamento a ser utilizado na mesma. Além destes dois fatores, o tempo de construção é importantíssimo no custo final da obra. Quanto mais demorada uma obra, mais cara ela fica. Diversas revistas específicas de arquitetura fornecem, mensalmente, o valor do metro quadrado da construção. Vale a pena uma consulta.

Quando é necessária a aprovação de projetos arquitetônicos?

Construções novas ou reformas nas áreas urbanas necessitam de aprovação por parte dos órgãos públicos. O arquiteto poderá incluir essas providências em seu trabalho, sendo que os projetos elaborados por ele deverão atender à essas exigências legais.

O que é um Projeto BIM?

BIM é uma metodologia de trabalho que consiste na construção digital de um projeto de edificação ou de infraestruturas feita através do trabalho colaborativo entre os diversos players envolvidos na obra. De forma que este modelo virtual contém todas as informações do ciclo de vida da obra, as quais podem ser adicionadas e alteradas em tempo real.

Quais as vantagens do BIM?

Através do trabalho colaborativo e das informações que podem ser adicionadas em tempo real no modelo virtual, o Building Information Modeling permite que se tenha uma previsão e uma ampla percepção do projeto. Assim, a metodologia faz com que erros, interferências, improvisos e retrabalho sejam evitados, o que reduz o tempo e custo investido no projeto.

Para que serve o BIM na arquitetura e engenharia?

O BIM tem a função de representar e simular o desenvolvimento da edificação ou infraestrutura dentro do entorno que será inserida (cidade, bairro, rua, etc), a conduta da estrutura diante do clima, eficiência energética, segurança, comodidade e consumo de materiais. Com todos esses dados é possível conhecer os impactos e proveitos sociais e econômicos da construção durante todo sua vida útil.

BIM é um software?

BIM não é apenas um software, essa visão diminui e não corresponde ao que de fato é a modelagem da informação. Ele é muito mais que uma inovação da tecnologia, é uma metodologia de trabalho que por meio de diversas ferramentas tecnológicas e do trabalho colaborativo integra todas as informações da construção. E, com isso, otimiza o projeto e ainda torna o fluxo de execução e a gestão mais descomplicados.

Quais profissionais e áreas podem aplicar o BIM?

A metodologia deve ser aplicada em todas as disciplinas que compõem a obra (arquitetura, estrutural e instalações: Elétrica, Hidráulica, Telecomunicações, Climatização, Preventivo de incêndio e SPDA, Automação, etc. Portanto, BIM pode ser utilizado em todos os momentos do ciclo de vida do projeto (concepção, planejamento, execução, gestão e manutenção) e por todos os players envolvidos no projeto, sejam eles engenheiros, arquitetos, projetistas, orçamentistas, gestores e construtoras e incorporadoras.

Quanto tempo leva para o projeto ficar pronto?

A fase de definição do projeto, chamado estudo preliminar, demora no mínimo duas semanas. O primeiro estudo é apresentado ao cliente neste tempo, e reapresentado a cada semana, sendo que o cliente define quando está satisfeito com o projeto. A partir deste momento, dá-se início ao anteprojeto, esta etapa é apresentada ao cliente de duas a três semanas, dependendo da complexidade do projeto. A partir da aprovação desta etapa inicia-se o processo de alvará de construção. Após a expedição do Alvará de Construção inicia-se o Projeto Executivo, que é apresentado em duas semanas. Os demais detalhamentos e projetos necessários são realizados durante o andamento da obra, conforme a necessidade. Este é o tempo médio para uma residência unifamiliar de até uns 300m², para projetos diferentes e com necessidades especiais o ideal é consultar a arquiteta para precisar este prazo.

Quando o projeto tem que ser aprovado pela Secretaria Municipal de Obras Pública (SMOP) ou Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMMA)?

Quando há alguma observação na Guia Amarela (chamada de Guia de Zoneamento em alguns municípios) para análise destas secretarias. Além disso, existem outras situações que a Secretaria de Urbanismo (que expede o alvará de construção) pode solicitar: quando o projeto tem subsolo, ou não tem área permeável (área sem pavimentação) suficiente, por exemplo, é necessária a apresentação na SMOP. Já quando há alguma árvore ou curso de água no lote, por exemplo, é necessária a apresentação na SMMA.

Qual a diferença do projeto do arquiteto e do engenheiro?

Cada profissional tem a sua especialidade. No Escritório Kelly Trindade Arquitetura, a arquiteta é responsável pelo projeto arquitetônico, já os chamados projetos complementares (estrutural, elétrico, hidráulico, etc…) são feitos por outros profissionais. Em geral, esses projetos só são iniciados quando o projeto arquitetônico está definido. O escritório indica alguns engenheiros, porém o cliente tem a liberdade de escolher o engenheiro em que mais sentir confiança.

Onde posso consultar o projeto hidráulico da minha casa?

Como já adiantamos, o projeto hidráulico da residência fica registrado na planta hidráulica, que deverá mostrar o mapeamento de todo o conjunto das ramificações do encanamento e os respectivos lugares por onde os canos estão passando, com seus tamanhos delimitados e outros detalhes pertinentes.
O principal ponto de uma planta hidráulica é a demarcação da saída de água da caixa ou daquela vinda diretamente da rua. Essa saída precisa estar acima de todo o encanamento, favorecendo a pressão para que a água chegue sem problemas a todos os pontos da casa.

Quem constrói a parte hidráulica?

Passada a fase do planejamento da planta hidráulica, é chegada a hora de executar a obra. Nesse momento, entra em cena o bombeiro hidráulico, também conhecido como encanador.
A função desse profissional contempla basicamente dois momentos principais: o primeiro deles é aquele de passar os canos, deixando os pontos de abertura no chão e na parede. Depois disso, o encanador interrompe o serviço para que o pedreiro instale alguns acabamentos — como pisos e azulejos — ou até que o pintor entre em ação.
Feito o acabamento, aí sim o encanador volta para desempenhar o segundo momento de sua função: instalar os vasos sanitários, lavatórios, pias, torneiras, misturadores, entre outras peças do projeto em questão.
É imprescindível respeitar essa fase do acabamento para só então instalar as louças. Caso contrário, você estará correndo o sério risco de os pedreiros ou pintores estragarem as peças durante a pintura ou colocação dos pisos e azulejos. Afinal, fica mesmo difícil trabalhar nos acabamentos caso as louças hidráulicas já tenham sido instaladas, certo?

Como fazer manutenção hidráulica residencial?

Não há como escapar: todas as instalações residenciais necessitam de manutenções regulares. Com o projeto hidráulico, não seria diferente. Nesse caso, o tempo médio de manutenção do sistema costuma variar entre 10 e 15 anos. Quanto mais antiga for a instalação, maior a chance de ela necessitar de reparos.

todos os direitos reservados

WhatsApp Chat
Enviar via WhatsApp
EnglishPortugueseSpanish